domingo, novembro 26, 2006

Opeth - Damnation (2003)



Galera, antes que alguém queira me dar uma cadeirada, deixa eu me explicar. Como bom (neo)quarentão, eu cresci ouvindo Robert Plant, Ian Gillan, Roger Daltrey, Ronnie Dio etc. Por conta disso, jamais consegui gostar daquele vocal grunido que virou moda em certos segmentos do metal a partir da segunda metade dos anos 1980. Meu limiar é Lemmy (até porque ele é Deus) – dali em diante eu já não consigo.

Isso me cria uma certa dificuldade para lidar com bandas cujas músicas eu considero excelente, como After Forever. Mas, se existe alguma banda com a qual esse bloqueio realmente me incomoda é o Opeth. Os caras são tremendamente bons, fazem umas músicas com uns climas que fogem do convencional, passando em segundos de um metal pesadérrimo para algo que poderia estar num disco antigo do Barclay James Harvest. Só que, quando eu estou viajando com o som dos caras e com a voz versátil de Mikael Åkerfeldt, ele vai e começa a grunir como um porco sendo castrado.

Eis que, em 2002, o Opeth entrou em estúdio tendo como produtor Steven Wilson, o cérebro por trás do Porcupine Tree e de mais meia dúzia de projetos. A escolha não era gratuita, pois o Porcupine é, de fato, uma influência visível do lado "prog" do Opeth. Wilson e Åkerfeldt tiveram uma idéia do cacete (que lembra muito um episódio de Jornada nas Estrelas, "O Inimigo Interior"): dividiram o som do Opeth e gravaram dois discos gêmeos, meio yin e yang. Em novembro de 2002 saiu Deliverance, pesadíssimo como nenhum outro disco da banda até então. Eis que em abril de 2003 chegou este aqui - a idéia original, aliás, era lançá-los como um CD duplo, mas a banda desistiu.

Se Deliverance é puro peso, Damnation é puro progressivo, melodiosamente rico, com Wilson contribuindo com um mellotron totalmente anos 70. Mas não é um disco nostálgico ou retro. Como Porcupine nos melhores momentos, é progressivo e é moderno ao mesmo tempo. Uma aula.

Tá com as capas e, como eu sou um cara muuuuito gente boa, as letras. Ah, pra quem não abre mão dos grunidos, depois eu boto aqui o Deliverance, tá?

1. Windowpane
2. In My Time of Need
3. Death Whispered a Lullaby
4. Closure
5. Hope Leaves
6. To Rid the Disease
7. Ending Credits
8. Weakness

Download

27 comentários:

Defensor, O Maldito disse...

Cara, gosto muito desse teu blog. Você tem um gosto musical excelente. Vou linka-lo
Abraços

Ressuctures disse...

Sou novato no blog, mas to colaborando com a divulagação.Continue a postar sons como esse. como tbm as velharias n podem faltar.Porem esses sons novos são sempre bons pra renova o "estoque".Continua com os sons.O blog tah perfeito

GRAVETOS & BERLOTAS disse...

Concordo em gênero, nº e grau com você, Dagda. Aliás, o meu limite com relação a grunhidos não chega nem mesmo ao Lemmy. E olha que a banda predileta do meu moleque, de 11 anos, é o System Of A Down. Que é bem interessante, por sinal.
Abraços,
Edson d'Aquino

Anônimo disse...

Cara,

Como é que eu não conhecia esse som ainda?
Muito obrigado por me apresentar!

Abraços,

Sandro

Ternakis disse...

Conhecia esse vocalista apenas pela participação que fez no Ayreon, onde ele alternava vocais excepcionais com "grunts" estilo urso com amidaglite. Gosto do vocal gutural apenas do Christopher Bortendahl, do Grave Digger. Quanto ao seu post, Dagda, é nota 1000! Não conhecia o trabalho dessa banda. Grande abraço e continue mandando as "pedradas"!

Magrão disse...

Boa noite amigos, vc teria o disco do John Paul Jones - Zooma - ex- bassista do led Zeppelin

Muito legal e bem organizado
Estarei sempre aqui

Magrão

Dagda disse...

Oi, Magrão, não tenho não, mas acho que tem nos arquivos do Dead End (link na coluna da esquerda).

Maddy Lee disse...

Dagda, sou freqüentador assíduo do Dead End e do Delirium Dust; acabei de ver seu comentário lá e vim conferir, resultado: lista de favoritos. Na verdade, você só aumenta meu prazeroso trabalho diário de buscar e conhecer novos sons, além de delirar com a "velharia" tão querida de todos os tempos.
De quarentão para quarentão, grande abraço, long live rock'n'roll!
Maddy Lee

GRAVETOS & BERLOTAS disse...

Com relação ao Zooma do grande John-Paul Jones, eu tenho está na fila de postagens do G&B. Daqui uns 10 dias estará disponível. É um discaço. O cara toca até baixo de 12 cordas!!!
Abraços,
Edson d'Aquino

Bruno Bones disse...

Cara, mesmo sendo tambem um (neo) quarentão (36) eu sinto a mesma coisa com relação ao OPETH.

Achava que eu era o unico que ainda "não tinha aprendido" a gostar do som da banda.

E olha que apesar de Lemmy ser GOD, gosto muito de som mais pesado (Slayer, Pantera, exodus...).

Esse cd eu ainda não tinha escutado, achei a cara de "porcupine tree".

Muito bom mesmo!

Na minha opinião se eles fizessem só esse tipo de som já estava bom demais.

Parabens pelo Blog.

Abraços

Maddy Lee disse...

Dagda, acabei de ler seus comentários do disco do Picture e chapei. Sub Som e Fonit (mesma galeria, subindo as escadas rolantes), do Cláudio, eram paradas obrigatórias para todo bom roqueiro. Grandes lembranças... O Maurílio era "A" figura, sacana até a medula, sente essa:
Um moleque entra na loja - Moço, tem o disco do Dê Xmitx, Dê Quin Ix Déff? (tentei deixar a parada bem carioca...)
Resposta do Maurílio: Esse não tem, mas eu tenho um deles pirata, ao vivo, gravado dentro de um avião... e dá na mão do moleque o Live Bootleg do Aerosmith...
Esse é o cara! Fã louco do Led e Rubro Negro de alma e coração. Obrigado por me fazer lembrar desses tempos em que corríamos de loja em loja para conseguir raridades e colecionar histórias.
By the way, esse Opeth é excelente, gostei tanto que estou procurando sua contraparte, terias???
Valeu!
Maddy Lee

Rodrigo Rocks disse...

E ai Dagda... Tudo blz!!?? Mais uma vez vou agradecer por vc estar sempre empenhando seu tempo para disponibilizar cultura pra galera. Gostei desse som do Opeth, se tivesse que comprar pra curtir, não teria ouvido...Mais uma prova de que os blogs soh contribuem pra com os artistas...Qunto ao Lemmy, é indiscútivel... We are Motorhead... FALOW cara! Abraço

Mauro disse...

Muito bom mesmo !!!!

Magrao disse...

Cade vc? tá tudo parado? já tá de ferias?
rsrsrsr Coloca aí o disco do Zappa - Hot rats
Um abração

Dante disse...

Grande Dagda !

É dificil ... o som é bom mas não consegui gostar, acho que falta alguma coisa.

Não importa, o que vale é conhecer, quem sabe daqui há algum tempo

Valeu ! Parabens pelo Blog

Anônimo disse...

parabéns pelo blog

AndreW disse...

Também nunca fui chegado a esses vocais suínos, mas o Opeth faz isso com maestria, parece que estes vocais vem sempre a propósito. Bem, mas sei lá, gosto é gosto..rs...

Anônimo disse...

ótimo post valew

Anônimo disse...

vc pode postar o Deliverance???
Obrigado>

jonyes disse...

Tinha ouvido duas ou três músicas do Opeth, e como não sou fã de rock muito pesado nem de "vocais" grunhidos, não gostei.

Não tinha idéia de que eles tinham lançado esse disco mais progressivo e menos metal (pelo que li em outros sites, tem fã da banda que torce o nariz por ser um som "acústico"). A influência do Steven Wilson é evidente, e achei o resultado bem legal. Obrigado por postá-lo!

Anônimo disse...

obrigado estava mesmo a procura disto, um abraço.

Bruno Moraes disse...

Esse disco é realmente fantástico! Lembrando que Hope Leaves é uma das músicas mais bonitas dos tempos recentes da música...

Eu que fui criado no Pink Floyd, no Genesis com o Peter Gabriel e no Kraftwerk pelo meu bom e velho pai fico a cada dia mais feliz de ver que ainda existem bandas com uma qualidade sonora excepcional nesse bando de merda hardcorezada que a minha geração criou.

Já conhecia o Opeth, bem como esse disco, e tenho que admitir que as músicas sem ogragem são muito melhores, rsrs...

E a título de conselho, o acima citado Porcupine Tree também é uma banda danada de boa, com um som prog do cacete, e que lançou um disco novo agora bem interessante (apesar de Stupid Dream e Lightbulb Sun serem melhores, rsrs)

Abração, pessoal!
E Dagda, continue o bom trabalho!

FaithLessNess disse...

Sou outra que também não é muito a favor de Opeth...mas se tem o mestre Steven Wilson por trás deste álbum, é com certeza digno de avaliação! ^-^

Valeu pelo post, man! =*

The Boss disse...

Parente meu ^ ?(Bruno Moraes) hehe..
msm sobrenome...
cara, gostei do texto que vc escreveu, eu tbm n gosto dessas paradas gritantes n, opeth nesse album ai é bao d+, mas qdo começa aqueles sons AAAARGH! eu paro na hr...
eu gostaria de encontrar sons como Paatos, Denali.. se souber me indicar, por favor, entre em contato comigo! (nervozero@hotmail.com)
parabens pelo blog, valeu!
abraço

mauri disse...

Não baixei ainda mas vou te dizer uma coisa quanto aos grunidos.
Há gosto pra tudo,veja que o Fish (Marillion)dá uns gritinhos nada a ver,ridículos,e meio mundo (ou mais)
veneram o cara.
Do mais,blog excelente...favoritos.

Alex Melch disse...

Cara, muito obrigado mesmo pelo upload desse disco!!!

Day Brito disse...

Muito bom o teu post!
Você poderia me dizer qual disco do Barclay James Harvest eu deveria baixar? Quero comparar, ver se penso o mesmo.
Desde já, obrigada! E estou seguindo.