quarta-feira, maio 27, 2009

Lizzy Borden – Visual Lies (1987)



Este post nasceu de uma frase de Paul Stanley que eu usei no anterior: “as pessoas ouvem com os olhos”. Algumas bandas ganhavam pela cara um rótulo sem que alguém tivesse a mínima preocupação em ouvir sua música.

O Lizzy Borden é um ótimo exemplo. Foi fundado pelo vocalista homônimo em 1983 em Los Angeles e dito líder usava uma maquiagem berrante. Pronto, bastou para que o grupo seja até hoje classificado como “glam”. Não interessa se a maquiagem ali derivasse da tradição de choque de Alice Cooper e Kiss e não da androgenia da maior parte da cena glam de LA (o delicioso apelido “hair metal” só viria depois) e que o som fosse bem mais pesado que o de seus conterrâneos.

O mesmo aconteceu com o W.A.S.P. (no primeiro disco, pois The Last Command é glam mesmo) e com o Twisted Sister (idem para Come Out And Play e o seguinte). Aliás, Dee Snider tem uma frase ótima: “Nunca entendi nos chamarem de ‘glam’. ‘Glam’ vem de glamour, e nós somos tudo, menos glamurosos. Deviam nos chamar de ‘hed’, de hediondos”.

Voltando ao Lizzy Borden, o som deles está mais para metal tradicional americano do que para hard rock glam. Vale a pena baixar.

1. Me Against The World
2. Shock
3. Outcast
4. Den of Thieves
5. Visual Lies
6. Eyes of A Stranger
7. Lord of the Flies
8. Voyeur (I'm Watchin' You)
9. Visions

Download

No vídeo, “Me Against The World”, a música mais comercial do disco: